Artigos

eSocial – dúvidas sobre os Riscos Ergonômicos

Saúde

Desde o começo do ano, está em vigor a nova fase do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial). Nessa etapa, os empresários deverão informar os tipos de riscos presentes em cada um dos ambientes de trabalho, como riscos ergonômicos, físicos, químicos, biológicos e de acidentes.

Como a implantação do novo sistema está seguindo um cronograma específico e segmentado, há grupos diferentes para repassar essas informações. Por isso, é preciso ficar atento para não ficar em débito com o eSocial. Inclusive, você pode conferir aqui o cronograma com cada uma das fases do eSocial e ver se a sua empresa ainda está no prazo.

Importância da ergonomia

Entende-se como ergonomia a relação entre o homem e o ambiente de trabalho, de forma que o indivíduo possa desempenhar suas funções sem prejudicar a saúde. Com base nesses preceitos, compete à empresa, por meio de funcionários capacitados, identificar todos os riscos ergonômicos e a melhor maneira de corrigi-los.

Entre riscos ergonômicos mais comuns estão:

  • Situações de estresse ocupacional;
  • Execução de movimentos repetitivos por período prolongado;
  • Levantamento de pesos sem devida proteção;
  • Postura inadequada;
  • Iluminação inadequada;
  • Ritmo excessivo de trabalho;
  • Jornadas de trabalho muito longas;
  • Monotonia das atividades laborais;
  • Controle rígido da produtividade.

Riscos ergonômicos e-social

O principal objetivo do eSocial é unificar o repasse de informações sobre os colaboradores das empresas aos órgãos competentes do governo. Dessa forma, reduzindo burocracias, facilitando o dia a dia dos executivos e permitindo um controle mais eficaz dos direitos trabalhistas e assegurando direitos e deveres de ambas as partes.

Portanto, o governo incluiu campos específicos que devem ser preenchidos por um profissional que tenha conhecimento da empresa e dos riscos. São 58 itens de riscos ergonômicos a serem levantados por meio da Análise Ergonômica do Trabalho/Laudo Ergonômico (AET). Especificamente para os riscos ergonômicos, há uma tabela dividida em cinco campos:

  • Riscos biomecânicos;
  • Mobiliário e equipamentos;
  • Ambientais;
  • Organizacionais;
  • Psicossociais e cognitivos.

Com as informações ergonômicas exigidas pelo eSocial, a expectativa é reduzir o número de doenças ocupacionais, acidentes de trabalho e promover um local mais saudável. Os campos que envolvem informações relativas à ergonomia no eSocial são:

  • S-1005: Tabela de estabelecimentos, Obras ou Unidades de Órgãos Públicos
  • S-1060: Tabela de Ambientes de Trabalho
  • S-2240: Condições Ambientais de Trabalho
  • S-2245: Treinamentos, Capacitações e Exercícios Simulados

Em dia com a lei

Deixar de preencher, ou não enviar dados ao eSocial pode gerar problemas graves à empresa, inclusive multas. Sem falar que coloca em risco a saúde dos trabalhadores, uma vez que o objetivo é melhorar/regularizar o ambiente de trabalho e fazer as organizações cumprirem a Lei.

Portanto, diante de dúvidas ou incertezas, a melhor maneira é buscar ajuda de empresas especializadas no assunto e que poderão orientar sobre o correto preenchimento do eSocial assim como fazer o levantamento preciso dos riscos ergonômicos dos ambientes de trabalho da sua companhia.

Você pode tirar outras dúvidas baixando o nosso Guia do eSocial ou entre em contato com um de nossos especialistas!