Artigos

Como lidar com faltas e atrasos de colaboradores

Dicas de gestão

É importante entender que faltas e atrasos dos colaboradores é uma coisa que pode — e provavelmente vai — acontecer na empresa. Portanto, o desafio dos gestores e responsáveis pelo RH é saber como lidar com isso, de forma a não deixar o absenteísmo influenciar negativamente nos negócios.

O primeiro passo é conseguir diferenciar as situações esporádicas e/ou justificáveis, das rotineiras e/ou injustificáveis. Afinal, deve-se considerar que o funcionário é um ser humano e sujeito de fatores que estão fora do controle dele.

Por outro lado, quando as faltas e os atrasos dos colaboradores passam a se tornar um problema frequente e injustificado, liga-se o sinal de alerta. Da mesma forma que a empresa deve entender o trabalhador, ele precisa ser comprometido e responsável para com a organização.

O que diz a lei sobre faltas e atrasos

Sobre atrasos, o primeiro parágrafo do artigo 58, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), estipula uma tolerância de, no máximo, 10 minutos diários na jornada de trabalho. Ou seja, se o funcionário precisa bater o ponto às 8:00 h, ele pode efetuar o registro até as 8:10 h sem isso ser considerado atraso.

No quesito faltas, há diversas situações previstas no artigo 473 da CLT que justificam as ausências, são elas:

  • Falecimento de familiares (até 2 dias consecutivos);
  • Casamento (até 3 dias consecutivos);
  • Doença e/ou tratamento (tempo requisitado pelo médico);
  • Doação de sangue (1 dia por ano);
  • Nascimento/adoção de filho (até 5 dias consecutivos para o pai, a mãe usufrui da Licença Maternidade);
  • Acompanhar consultas médicas e/ou exames gestacionais da companheira (até 2 dias);
  • Vestibular (dia da prova);

Em todos os casos, é de responsabilidade do empregado comprovar a situação, por meio de atestados médicos ou outros documentos conforme o caso. Se o mesmo não apresentar essa comprovação, a empresa pode ou não aceitar a falta.

Lidando com faltas e atrasos dos colaboradores

A CLT também estipula que em casos de faltas e atrasos dos colaboradores, sem justificativa, a companhia pode aplicar penalidades como advertência verbal, por escrito, descontos de salário, suspensão e até mesmo demissão por justa causa.

Contudo, o mais comum é que a falta seja compensada por meio de banco de horas. Inclusive, algumas pesquisas colocam que os funcionários priorizam empresas com jornada de trabalho flexível. Porém, nem todas as empresas conseguem fazer isso. Portanto, para resolver esses problemas os responsáveis devem ser justos e agir com bom-senso.

Por exemplo, é um funcionário que tem um histórico impecável de presença, mas nesse dia especificamente aconteceu algo? Uma orientação é pedir que ele tome cuidado para não repetir o atraso e, caso ocorra, comunicar a empresa com antecedência. Depois, observar se essa falta e/ou atraso irá se repetir, ou se realmente foi um caso isolado.