TREINAMENTOS

Saúde do trabalho, conscientização e uso de EPI’s e EPC’s

Equipamentos de proteção individual: Os EPIs podem salvar sua vida.

Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) protegem a saúde do trabalhador e reduzem os riscos de acidente. São indicados, principalmente, quando as medidas de proteção coletiva não forem viáveis, eficientes e suficientes para a combater os acidentes e/ou doenças ocupacionais.

O Ministério do Trabalho atesta a qualidade e eficácia dos EPIs disponíveis no mercado através da emissão do Certificado de Aprovação (C.A.). O não cumprimento da legislação trabalhista brasileira e suas Normas Regulamentadoras (N.R.) quanto ao fornecimento e uso de EPI poderá acarretar em ações de responsabilidade civil e penal ao Empregador.

É recomendado que o fornecimento de EPI, bem como treinamentos ministrados, sejam registrados através de documentação apropriada. Essa documentação é essencial para eventuais esclarecimentos em causas trabalhistas e fiscalizações.

Obrigações do Empregador:

  • Fornecer os EPIs adequados às atividades;
  • Instruir e treinar os funcionários quanto ao uso dos EPIs;
  • Fiscalizar e exigir o uso dos EPIs;
  • Repor os EPIs quando danificados.

Obrigação do Empregado:

  • Usar e conservar seus EPIs.

Seja Prudente e Consciente!

Próximo tema: Ergonomia
Ano I – Mês II
Fonte: Fundacentro e Ministério do Trabalho.

Prevenção de acidentes de trabalho

Uma empresa que conhece seus riscos e conscientiza seus funcionários, ajuda a evitar muitos acidentes.
Acidente de trabalho é toda ocorrência não desejada no exercício da atividade a serviço da empresa, podendo provocar lesão corporal, perturbação funcional, morte, perda ou redução permanente ou temporária da capacidade para o trabalho.

Consideram-se acidente do trabalho:

  • Doença profissional ou do trabalho, produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho, peculiar a determinada atividade;
  • Acidente típico, que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa;
  • Acidente de trajeto, que ocorre no percurso do local de residência para o trabalho ou vice e versa, considerando a distância e o tempo de deslocamento compatíveis com o percurso do trajeto.

Danos causados ao trabalhador: sofrimento físico e mental, assistência médica, custos com remédios, dependência de terceiros para locomoção e acompanhamento, desamparo à família, desemprego, depressão, traumas, entre outros.

Prejuízos da empresa: salário dos 15 dias após o acidente, transporte e assistência médica, paralisação do setor/máquina, investigação de causa e correção da situação, treinamento de substituto, aumento do prêmio de seguro, multas, encargos contratuais, entre outros.

Custos para a Sociedade: intervenções cirúrgicas, mais leitos nos hospitais, benefícios previdenciários, redução da população economicamente ativa, entre outros.
Para a prevenção de acidentes é importante conhecer as características da empresa, dos trabalhadores e ambientes do trabalho; mapear os processos de produção e atividades relacionadas para conhecer suas principais etapas; avaliar os riscos para identificar fontes de perigo; implementar programas de gerenciamento de saúde e segurança no trabalho, como o PPRA, PCMSO, campanhas, diálogos e treinamentos de saúde e segurança.

Você Sabia?

O Brasil foi o primeiro país a ter um serviço obrigatório de segurança e medicina no trabalho em empresas com mais de 100 funcionários. Essa iniciativa ocorreu em 27 de julho de 1972, por isso, essa data passou a ser o Dia Nacional da Prevenção de Acidentes no Trabalho.

Próximo tema: Diálogos de Segurança
Ano I – Mês IV
Fonte: Fundacentro e IBGE.

Comportamento e atitudes de segurança: segurança não se conquista, se faz.

Embora muitos acidentes de trabalho sejam atribuídos à falta de cuidado das pessoas, ausência de medidas ou atitudes precárias em relação à segurança, a maior incidência ainda é decorrente de um comportamento inseguro.

Para adotar uma cultura prevencionista no dia-a-dia e evitar acidentes de trabalho, é necessário refletir e analisar cada etapa a ser cumprida durante o processo, por exemplo: verificar e prever todos os riscos oferecidos pela tarefa; utilizar os equipamentos de segurança individual e coletivo; ponderar se o trabalho é seguro antes de executá-lo e considerar que acidentes podem ocorrer com qualquer um e a qualquer momento.

Lembre-se que, mesmo que a empresa garanta a entrega dos EPIs necessários, realize treinamentos e diálogos de segurança, adote medidas de segurança em máquinas e equipamentos, cabe a você ter uma atitude permanente de valorização da segurança do trabalho, da sua vida e de seus colegas.

Penso no pior, pois ele também acontece.
Reflita se a tarefa é segura antes de executá-la.
Espere para fazer certo, não tenha pressa.
Verifique, tenha certeza. Não fique em dúvida.
Ensine aos que não sabem. Colabore e zele também pelo seu companheiro.
Nunca abuse do perigo. A vida é frágil.
Insista, vá atrás de informação para a sua segurança.
Realize um trabalho seguro e volte para casa bem.

Próximo tema: Utilização de EPIs
Ano I – Mês I
Referência: Revista Proteção, Fevereiro, 2010.

Diálogo de Segurança: conversar é a melhor forma de educar. Acerte o tom do diálogo seguro.

“Nada é tão contagioso como o exemplo”. – François La Rochefoucauld
Os Diálogos de Segurança são oportunidades para que se implante a cultura de segurança nas diversas áreas de uma empresa, desenvolvendo nos colaboradores o hábito da conversa sobre assuntos relativos à saúde e segurança do trabalho.

São conversas rápidas que podem ser realizadas diariamente (DDS) ou semanalmente (DSS), antes do início das atividades, com duração de aproximadamente 5 a 10 minutos, no próprio local onde o trabalho é desenvolvido.

Condução e exemplos

Os diálogos deverão ser conduzidos através de leitura ou discussão de algum tema relacionado à segurança, saúde, meio ambiente, divulgação de mensagens prevencionistas ou outros assuntos relevantes às atividades desenvolvidas na empresa. É importante citar exemplos práticos, procedimentos e acidentes ocorridos que possam relacionar-se com o assunto em questão.

A responsabilidade pela execução do diálogo é do Líder, Supervisor ou Chefia da área, registrando o tema com as assinaturas dos participantes em documento impresso.

Temas abordados:

  • Como agir diante de um incêndio
  • Uso consciente da água
  • Por que usar EPI
  • Arrumação, limpeza e organização
  • Armadilhas no escritório
  • O que é diabetes e como prevenir
  • Proteções de máquinas
  • Empilhamento correto, entre outros

Você Sabia?

A retomada das obras de infraestrutura e construção imobiliária, entre os meses de janeiro e outubro de 2011, elevou o número de acidentes do trabalho no Brasil. Segundo dados do Ministério do Trabalho, pelo menos 40.779 pessoas foram vítimas de acidentes graves, dentre as quais, 1.143 vieram a óbito. Vamos juntos prevenir e tornar o ano de 2012 mais seguro!

Use a criatividade e possibilite um canal de comunicação ágil e transparente entre gestores e colaboradores!

Próximo tema: Plano de Atendimento a Emergências
Ano I – Mês V
Fonte: Programa Cinco Minutos Diários de Segurança, Saúde Ocupacional e Meio Ambiente.

Sinalização e Segurança: o que é importante não deve passar despercebido.

Quando se pensa em normas de segurança, riscos, acidentes e procedimentos, é comum as empresas e profissionais da área de segurança do trabalho se perguntarem qual a melhor forma de levar estas informações a todos de maneira rápida e eficaz.

A resposta pode ser simples, sinalização de segurança.

A Norma Regulamentadora nº 26 dispõe sobre este assunto acerca de cores para segurança em estabelecimentos ou locais de trabalho, a fim de indicar e advertir os riscos existentes bem como Classificação, Rotulagem Preventiva e Ficha com Dados de Segurança de Produto Químico.

As cores devem ser utilizadas para identificar os equipamentos de segurança, delimitar áreas, identificar tubulações empregadas para a condução de líquidos e gases e advertir contra riscos, atendendo ao disposto nas normas técnicas oficiais. Seguem alguns exemplos: fita zebrada, cavaletes e cones de segurança, placas e frases de perigo/ advertência e de obrigatoriedade de uso de EPI, entre outros.

O produto químico utilizado no local de trabalho deve ser classificado quanto aos perigos para a segurança e a saúde dos trabalhadores de acordo com os critérios estabelecidos pelo Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos (GHS), da Organização das Nações Unidas.

Dentre os aspectos citados na norma em relação a este item, ressalva-se a necessidade da aplicação de treinamento aos trabalhadores que possuem contato com os produtos químicos. Esse treinamento contempla o esclarecimento da rotulagem preventiva e da ficha com dados de segurança do produto químico e os perigos, riscos, medidas preventivas para o uso seguro e procedimentos para atuação em situações de emergência com o produto químico.

Próximo tema: Proteção e Combate a Incêndio
Ano II – Mês XII

Acidente de trabalho

CONCEITO

Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte, perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho. (Art. 19 da lei 8213/91).

TIPOS DE ACIDENTE DE TRABALHO

a) Acidente Típico
É aquele que ocorre durante a execução do trabalho.

b) Acidente de Trajeto
É aquele que ocorre no percurso da residência para o trabalho ou vice-versa.

c) Doença Ocupacional
A Doença profissional é a produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada atividade. Doença do trabalho é a adquirida ou desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relacione diretamente. (Art. 20 da 8213/91).

COMO AGIR NO CASO DE ACIDENTE TÍPICO OU ACIDENTE DE TRAJETO

Primeiramente deverá providenciar os primeiros socorros ao acidentado. Para isso, dependendo da gravidade da lesão, deve-se encaminhar o acidentado ao Pronto Socorro Hospitalar mais próximo ou acionar o Corpo de Bombeiros ou o SAMU para fazer o atendimento e o transporte adequado.

Todo acidente de trabalho deverá ser comunicado imediatamente à chefia imediata, ao SESMT e/ou CIPA da empresa, para fins de investigação. Comprovado o acidente de trabalho, o SESMT deverá emitir a documentação legal que é a CAT – Comunicação de Acidente de Trabalho, num prazo de 24 horas.

A CAT será preenchida no site da Previdência Social (para notificar o acidente) e uma via deverá ser entregue ao funcionário acidentado. Funcionário que afastar-se por período maior que 15 dias deverá solicitar benefício pela Previdência Social – INSS.

É importante lembrar que ao retornar ao trabalho, após o período de afastamento, o colaborador terá estabilidade de 1 ano.

“Preserve a vida trabalhe com segurança.”

O LOCAL DE TRABALHO E A SEGURANÇA | UM AMBIENTE SAUDÁVEL TORNA O TRABALHO MOTIVADOR

Em uma organização, por menor que seja, o capital mais importante é o capital humano: as pessoas, sejam elas de culturas, tradições, formações, gênios e educação similares ou diversos.

Tendo isso em mente, a comunicação de qualidade se torna ferramenta fundamental para o relacionamento e desenvolvimento das atividades da empresa. É importante respeitar as diferenças existentes nesse ambiente que, muitas vezes, passamos mais tempo do que com os próprios familiares.

Em relação à segurança e meio ambiente, é de suma importância que, além do respeito das normas e padrões da empresa, é importante respeitar o próximo, não colocando a vida dele, a sua e o ambiente de trabalho da empresa em perigo. A comunicação entra como fator importante para que as informações sejam disseminadas.

Se o funcionário respeita seu local de trabalho, automaticamente respeitará as normas e o seu bem-estar e saúde, assim como dos seus colegas. É muito bom fazer parte de um ambiente que nos fornece alegria de trabalhar, de colaborar e poder entregar de alguma forma um pouco do que podemos oferecer.

Que esta seja uma mola propulsora em sua vida: você colaborando com a empresa, com as normas e com os demais colegas de trabalho e que a empresa seja um canal de engrandecimento, valorizando o capital humano, capacitando-o e moldando para a formação de um grande cidadão. Com a participação de cada um, o respeito é multiplicado e, cada vez mais, terá um ambiente salubre em todas as instâncias.

Vejam algumas dicas para criar um bom ambiente de trabalho:

  • Seja cordial com todos
  • Respeite seu próximo
  • Chame-o pelo nome
  • Fale as palavras mágicas: por favor e obrigado
  • Respeite as normas internas de segurança
  • Não faça acepção de pessoas
  • Colabore com o que puder
  • Acredite no ser humano
  • Faça o seu melhor
  • Não olhe para os defeitos dos outros, corrija os seus
  • Participe ativamente dos interesses da organização
  • Estude – o aperfeiçoamento é o melhor caminho
  • Bom dia, boa tarde e boa noite, são sempre bem-vindos
  • Vá além do que esperam de você em todos os sentidos

Veja também